terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

OUVINDO CORAÇÕES

Grande sabedoria é poder olhar a vida com olhos de ver. Enxergar as coisas de maneira diversa da habitual. Ir além das aparências.
Não somos apenas ossos, músculos, tendões, unhas, cabelos, sangue. Somos tudo isso e mais a essência, o Espírito.
É essa essência que nos faz ficar enfermos ou recuperar a saúde apesar de portadores de uma doença sem bons prognósticos.
Assim, não se pode imaginar medicina sem os remédios, bisturis, equipamentos, poções. Mas, a essência não pode ser esquecida.
Dr. Josh era um talentoso cirurgião oncológico. Depois de alguns anos, mal conseguia se levantar da cama pela manhã porque sabia que iria ouvir as mesmas queixas.
De tanto ouvir falar de dores e assistir ao sofrimento, deixara de se importar.
Para que tudo aquilo, afinal? Muitos pacientes ele nem conseguia que se recuperassem.
Então, uma amiga lhe observou que ele precisava ter novos olhos. O importante não era mudar de hospital, de atividade. Era ele olhar o mesmo cenário, de forma diferente.
E sugeriu que, a cada dia, durante quinze minutos, ele rememorasse os acontecimentos e respondesse a si mesmo: O que me surpreendeu hoje? O que me perturbou ou me emocionou? O que me inspirou?
Ele tentou. Três dias depois, a única resposta que conseguia dar para as três questões era nada, nada, nada.
A amiga lhe sugeriu que ele olhasse as pessoas ao seu redor como se fosse um escritor, um jornalista, ou quem sabe, um poeta. Procurasse histórias.
Seis semanas depois, Josh encontrou-se com ela, outra vez e lhe falou das suas experiências. Estava mudado. Sereno.
Nos primeiros dias, a única coisa que o surpreendera tinha sido o tumor de algum paciente que regredira poucos centímetros.
O mais inspirador, uma droga nova, ainda em experiência, a ser ministrada aos pacientes.
Certo dia, observando uma jovem mulher, que ele operara de um câncer no ovário, tudo mudou.
Ela estava muito debilitada pela quimioterapia. Sentada em uma cadeira, tinha ao seu lado as filhas de quatro e seis anos. As duas meninas estavam bem arrumadas, felizes e amadas.
Como ela conseguia aquilo?
Mesmo depois de tudo o que havia passado, ele observava que havia dentro dela algo muito forte. Uma força que a estava curando.
E começou a perguntar aos pacientes o que lhes dava forças na sua luta contra a doença.
As respostas eram muito diversas. O importante é que ele descobriu que tinha interesse em ouvir.
E percebeu que agora, e somente agora, as pessoas vinham lhe agradecer pela cirurgia. Algumas até lhe davam presentes.
Mudou o seu relacionamento com os doentes. Contando tudo isso para a amiga, ele retirou do bolso um estetoscópio com seu nome gravado e o mostrou, comovido. Presente de um paciente.
Quando a amiga lhe perguntou o que é que iria fazer com aquilo, ele sorriu e respondeu:
Ouvir os corações, Rachel. Ouvir os corações.
*   *   *
Todas as vidas têm um significado. Encontrar o sentido das coisas nem sempre é fazer algo diferente. Por vezes, é somente enxergar a rotina de uma forma diversa.
A vida pode ser vista de várias maneiras: com os olhos, com a mente, com a intuição.
Mas só é verdadeiramente conhecida por aqueles que falam e ouvem a linguagem do coração.

Redação do Momento Espírita com base no cap. Encontrando novos olhos,
 do 
livro As bênçãos do meu avô, de Rachel Naomi Remen, ed. Sextante
 e na crônica 
Colcha de retalhos, de Luiz Carlos Prates 
(
Diário Catarinense, 15.9.2003).
Em 25.1.2016.

AMIGOS DISTANTES

Ter um bom amigo é um dos maiores prazeres da vida. Contudo, ser bom amigo é um dos mais nobres e mais difíceis compromissos.
Nos dias em que vivemos, parece que esse compromisso vai se tornando mais árduo.
Crescemos ao lado de alguém, convivemos, tornamo-nos amigos inseparáveis.
Então, um dia, motivos profissionais, familiares ou financeiros nos remetem a outras paragens, muito distante desses amigos.
Os anos passam, as tarefas se multiplicam, a vida nos envolve com tantas coisas, e o tempo vai se tornando sempre mais curto para os amigos... tão distantes.
Por isso, algumas dicas podem ser colocadas em prática, a fim de não se perder essa preciosidade que se chama amizade.
Primeiro: marquemos encontros.
A frequência com que poderemos fazer isso dependerá de tempo, distância, finanças e muitos outros fatores.
Contudo, se não for possível sempre, procuremos estar pessoalmente presentes, ao menos uma vez por ano.
Segundo: invistamos na telefonia.
O celular pode se tornar uma linha viva de comunicação entre amigos que estão longe um do outro.
Pensemos em nossa conta de celular como um investimento em nossas amizades.
Terceiro: usemos a tecnologia.
Enviemos e-mails, mas não fiquemos copiando e-mails enormes da internet, mensagens de outros.
Não. Escrevamos nós mesmos, com nossas palavras. Isso vale muito mais. Sejamos breves. Se o nosso tempo é precioso, o do amigo também é.
Mensagens retiradas da internet são recebidas às dezenas, duplicadas ou triplicadas. Não têm o mesmo valor.
O nosso e-mail será único e é isso que importa para a amizade.
Quarto: enviemos fotos.
Este é um modo excelente do amigo saber como estamos. Façamos fotos nossas, em diferentes lugares, em diversas situações e mandemos, vez ou outra, aos amigos.
Não esqueçamos de escrever uma notinha. Reconhecer nossas letras será sempre emocionante.
Quinto: passemos férias juntos.
Encontremo-nos em algum lugar, entre nossas cidades. Consultemos colônias de férias, hotéis, lugares agradáveis e combinemos passar uma semana divertindo-nos e renovando a amizade.
Coloquemos o papo em dia. Recordemos bons momentos e produzamos outros tantos para recordar, nos dias de separação que tornarão a acontecer.
Sexto: ao menos digamos oi.
Se estivermos muito ocupados, atolados em papéis e obrigações, sem tempo para respirar; se acharmos que não temos condições de escrever ou telefonar, separemos uns minutinhos para escrever uma mensagem breve: Oi, tudo bem?
Usemos a web, o skype e perguntemos: Tudo bem, aí? Até depois!
Mantenhamos as linhas de comunicação abertas.
Sétimo: oremos pelos nossos amigos.
A oração estabelece linhas de comunicação invisíveis, ao tempo em que, igualmente, estaremos rogando a proteção dos céus ao amigo que, por vezes, está passando por situação dolorosa.
Oremos sempre e com fidelidade. Recomendemos nossos amigos a Deus, aos bons Espíritos.
É possível que não consigamos seguir todos estes itens, mas tentemos, começando ao menos com um deles.
Porque o único meio de conservar um amigo é ser amigo.
*   *   *
Invistamos na bolsa de valores da amizade, todos os dias. Os lucros sempre serão compensadores.
Lembremo-nos: amigo verdadeiro é aquele que compartilha todas as tristezas e dobra as alegrias.
Sejamos amigo!
O amigo alegre é como um dia de sol, que lança seu brilho em tudo à volta.
Sejamos um dia de sol, todos os dias.

Redação do Momento Espírita, com base no cap. Grandes citações sobre a amizade
e cap. 
Dez ideias para permanecer perto quando se está distante, do livroListas para aquecer o coração,  de Alice Gray, Steve Stephens
e John Van Diest, ed. ATOS.
Em 29.1.2016.

A ARTE DO AMOR


Comunicação, a arte de falar um com o outro, dizer o que sentimos e pretendemos, falando com clareza, ouvir o que o outro fala, deixá-lo certo de que estamos ouvindo é, sem sombra de dúvida, a habilidade mais essencial para a criação e a manutenção de um relacionamento amoroso.
A afirmativa é de Leo Buscaglia, professor da Universidade da Califórnia do Sul.
Ele diz que o mais alto nível da comunicação é o não verbal. O que quer dizer: se você ama, mostre isto em atitudes. Faça coisas amorosas para o outro. Seja atencioso. Coloque os seus sentimentos na prática.
Faça aquela comida favorita. Mande flores. Lembre-se dos aniversários. Crie os seus próprios feriados de amor. Não espere pelo dia dos namorados.
E ele relaciona alguns pontos importantes para que uma relação a dois se aprofunde e se agigante, vencendo os dias, os meses e os anos.
Diga sempre ao outro que o ama, através de suas palavras, suas atitudes e seus gestos. Não pense que o seu par já sabe disso. Ele precisa desta afirmação.
Cumprimente sempre o seu amor pelos trabalhos bem-feitos. Não o deprecie. Dê o seu apoio quando ele falhar. Pense que tudo o que ele faz por você, não o faz por obrigação. E estímulo e elogio asseguram que ele vai repetir a dose.
Quando você se sentir solitário, incompreendido, deixe-o saber. Ele se sentirá mais forte por reconhecer que tem forças para confortar você. Lembre que, apesar de amá-lo, o outro ainda não pode ler a sua mente. Não se feche em si mesmo.
Expresse sentimentos e pensamentos de alegria. Eles dão vida ao relacionamento. É maravilhoso celebrar dias comuns, datas pessoais, como o primeiro encontro, o primeiro olhar, o dia da reconciliação depois de um breve desentendimento.
Dê presentes de amor sem motivo. Ouça a sua própria voz a falar de sua felicidade.
Diga ao seu amor que ele é uma pessoa especial. Não deprecie os sentimentos dele. O que ele sente ou vê é sua experiência pessoal, portanto, importante e real.
Abrace sempre. A comunicação de amor não verbal revitaliza a relação.
Respeite o silêncio do seu companheiro. Momentos de quietude também fazem parte das necessidades espirituais de cada um.
Finalmente, deixe que os outros saibam que você valoriza a quem ama, pois é bom partilhar as alegrias de um saudável relacionamento a dois com os amigos.
*   *   *
É possível que você esteja pensando que todas essas recomendações não são realmente necessárias entre pessoas que se amam. Elas acontecem de forma espontânea.
Mas, nem tanto. Nem sempre. São esses vários aspectos da comunicação que constituem o alicerce de um relacionamento amoroso saudável. Eles também produzem os sons mais maravilhosos do mundo. Os sons do amor. Experimente.
Redação do Momento Espírita, com base no cap. 2,
do livro 
Amando uns aos outros, de Leo Buscaglia,
ed. Record.
Em 2.2.2016.

MOMENTO ESPÍRITA

Ouvindo corações
Grande sabedoria é poder olhar a vida com olhos de ver. Enxergar as coisas de maneira diversa da habitual. Ir além das aparências.
Não somos apenas ossos, músculos, tendões, unhas, cabelos, sangue. Somos tudo isso e mais a essência, o Espírito.
É essa essência que nos faz ficar enfermos ou recuperar a saúde apesar de portadores de uma doença sem bons prognósticos.
Assim, não se pode imaginar medicina sem os remédios, bisturis, equipamentos, poções. Mas, a essência não pode ser esquecida.
Dr. Josh era um talentoso cirurgião oncológico. Depois de alguns anos, mal conseguia se levantar da cama pela manhã porque sabia que iria ouvir as mesmas queixas.
De tanto ouvir falar de dores e assistir ao sofrimento, deixara de se importar.
Para que tudo aquilo, afinal? Muitos pacientes ele nem conseguia que se recuperassem.
Então, uma amiga lhe observou que ele precisava ter novos olhos. O importante não era mudar de hospital, de atividade. Era ele olhar o mesmo cenário, de forma diferente.
E sugeriu que, a cada dia, durante quinze minutos, ele rememorasse os acontecimentos e respondesse a si mesmo: O que me surpreendeu hoje? O que me perturbou ou me emocionou? O que me inspirou?
Ele tentou. Três dias depois, a única resposta que conseguia dar para as três questões era nada, nada, nada.
A amiga lhe sugeriu que ele olhasse as pessoas ao seu redor como se fosse um escritor, um jornalista, ou quem sabe, um poeta. Procurasse histórias.
Seis semanas depois, Josh encontrou-se com ela, outra vez e lhe falou das suas experiências. Estava mudado. Sereno.
Nos primeiros dias, a única coisa que o surpreendera tinha sido o tumor de algum paciente que regredira poucos centímetros.
O mais inspirador, uma droga nova, ainda em experiência, a ser ministrada aos pacientes.
Certo dia, observando uma jovem mulher, que ele operara de um câncer no ovário, tudo mudou.
Ela estava muito debilitada pela quimioterapia. Sentada em uma cadeira, tinha ao seu lado as filhas de quatro e seis anos. As duas meninas estavam bem arrumadas, felizes e amadas.
Como ela conseguia aquilo?
Mesmo depois de tudo o que havia passado, ele observava que havia dentro dela algo muito forte. Uma força que a estava curando.
E começou a perguntar aos pacientes o que lhes dava forças na sua luta contra a doença.
As respostas eram muito diversas. O importante é que ele descobriu que tinha interesse em ouvir.
E percebeu que agora, e somente agora, as pessoas vinham lhe agradecer pela cirurgia. Algumas até lhe davam presentes.
Mudou o seu relacionamento com os doentes. Contando tudo isso para a amiga, ele retirou do bolso um estetoscópio com seu nome gravado e o mostrou, comovido. Presente de um paciente.
Quando a amiga lhe perguntou o que é que iria fazer com aquilo, ele sorriu e respondeu:
Ouvir os corações, Rachel. Ouvir os corações.
*   *   *
Todas as vidas têm um significado. Encontrar o sentido das coisas nem sempre é fazer algo diferente. Por vezes, é somente enxergar a rotina de uma forma diversa.
A vida pode ser vista de várias maneiras: com os olhos, com a mente, com a intuição.
Mas só é verdadeiramente conhecida por aqueles que falam e ouvem a linguagem do coração.

Redação do Momento Espírita com base no cap. Encontrando novos olhos,
 do 
livro As bênçãos do meu avô, de Rachel Naomi Remen, ed. Sextante
 e na crônica 
Colcha de retalhos, de Luiz Carlos Prates 
(
Diário Catarinense, 15.9.2003).
Em 25.1.2016.

PREFEITURA REALIZA RECADASTRAMENTO DE PESSOAL‏

A Prefeitura Municipal de São José de Mipibu, por meio de Decreto convoca todos os servidores municipais para comparecerem à sede do Poder Executivo, para a realização do recadastramento de pessoal.
Os servidores lotados na Secretaria e Educação deverão fazer o recadastramento do dia 15 ao dia 19 de fevereiro. Os demais servidores, do dia 22 ao dia 26 de fevereiro.
Os servidores deverão comparecer munidos da Cédula de Identidade, comprovante do CPF, comprovante de residência atualizado, Formulário de Recadastramento e declaração de acúmulo de cargo, documento fornecido pela Prefeitura Municipal.

CASAMENTO GRÁTIS EM MIPIBU

INSCRIÇÕES PARA CASAMENTO COMUNITÁRIO EM SÃO JOSÉ DE MIPIBU


As inscrições para o próximo casamento comunitário do Tribunal de Justiça começam a partir desta segunda-feira (1º). Desta vez, a cerimônia será realizada em São José de Mipibu, município da Grande Natal, em 14 de abril. A celebração oficial destina 150 vagas e as inscrições podem ser feitas no 2º Ofício de Notas daquele município até 30 de março.

Para garantir sua vaga, o casal deve comparecer ao cartório de São José de Mipibu com os seguintes documentos: certidão de nascimento, comprovante de residência, cópia da identidade e CPF.

A gratuidade é destinada a quem está desempregado ou os casais que tenham renda de até dois salários mínimos, lembra o coordenador de casamentos do Núcleo de Ações e Projetos Socioambientais do TJRN, Rossini Pimentel.

Os casamentos comunitários são realizados pelo Judiciário potiguar desde 2007 e no ano passado beneficiaram quase 1400 casais em cerimônias oficiais, celebradas pela juíza Fátima Soares, em várias cidades do Rio Grande do Norte.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

PROCURADO

Divisão de Homicídios procura suspeito de participação na morte de Gizela Mousinho

Herbert Geirty tem mandado de prisão por participação no latrocínio.

A Policia Civil procura Herbert Geirty Câmara Cunha, de 25 anos, vulgo "Camundongo". Ele tem mandado de prisão preventiva decretada pelo Juízo da Sexta Vara Criminal por ter envolvimento no latrocínio da turismóloga Gizela Mousinho.
Hebert é namorado de uma menor apreendida no último dia 22 de janeiro, que teve participação direta no crime de latrocínio que vitimou a turismóloga.
Qualquer informação sobre o suspeito pode ser repassada para a Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) através do telefone 3232-1195.
Fonte: PORTAL BO

.

....