Pages

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

DESABAFO

Repórter da Record revela ‘lado podre’ do canal após ser demitido
Jornalista publicou relato sobre a relação da emissora com a Igreja Universal e chama a empresa de criminosa


O jornalista Luiz Antônio Barbará escreveu um depoimento em que fala sobre polêmicas dentro da Rede Record. Ele foi demitido por justa causa depois de, supostamente, não receber apoio da emissora ao sofrer de cárcere privado durante as gravações de uma reportagem no mês de novembro. No texto, ele fala sobre a relação da emissora com a Igreja Universal e chama a empresa de criminosa.
“TV RECORD RS MENTE. Mente feio. Mente ardilosamente. Eu não posso mais ficar agindo com tranquilidade quando além da falta de verdade, há falha jurídica, há maldade. Não posso mais ser complacente com uma empresa com gestor que comete crime. Não posso aceitar que um diretor de uma empresa me receba com segurança para me expulsar de um lugar que me dediquei tanto e jogue no chão um documento que levei. Covardes”, escreve no depoimento, publicado pelo Blog do Prévid.
Contratado da afiliada da Record no Rio Grande do Sul, Luiz fui a uma fábrica com equipe do canal para investigar um caso intitulado “farra do semi-aberto”, em que presos e condenados estariam burlando a justiça e deixando de cumprir as cargas horárias destinadas ao trabalho durante o dia. Ao chegar ao local, ele foi trancado pelo dono da fábrica e só liberado uma hora depois, sob ameaças. Luiz afirma que não recebeu apoio da emissora para prestar queixa do caso ao procurar uma delegacia. Ele, então, tirou um mês de licença do trabalho para se recuperar do trauma e foi demitido ao fim do recesso.
“Eu não posso mais ficar calado e respeitoso diante dessa gente que eu arrisquei a vida e virou as costas pra mim. E essa gente, meus caros, como vocês sabem pertence á uma Igreja. Igreja Universal, essa mesmo. Que prega misericórdia, faz milagres…Hoje, eu também me sinto completamente envergonhado por ter feito parte disso tudo. De certa forma fui cúmplice da barbaridade do dízimo das pessoas doentes e pobres, do preconceito de escolhas pessoais, da censura, da intolerância religiosa. Que vergonha. Tenho vergonha de uma empresa que desrespeita a justiça. Sim, a minha ‘demissão por justa causa’ é completamente injurídica. NÃO TEM VALIDADE LEGAL. Ou vocês já viram alguém com atestado médico e com perícia marcada ser demitido? NÃO EXISTE. Só para os criminosos da Record”, dispara. Contatada pela equipe do Viver, a Record RS afirmou que deve enviar nota sobre o ocorrido.
Confira o relato completo:
“Desculpem o desabafo. Mais uma vez. Mas é que tá doendo demais. Muito. Não é rebeldia. Não é recalque. Não é ódio. É dor.
Muita dor.
Saí de Uruguaiana com 17 anos focado em ser jornalista e dar o maior orgulho possível pra minha família. Hoje, me sinto envergonhado toda vez que minha mãe e minha irmã me pegam chorando ou desiludido com tudo isso que está acontecendo.
Dei o meu melhor em todos os lugares em que eu trabalhei. Passei pelos principais veículos de comunicação do Brasil. Fui morar no interior do RS, fui para o Rio de Janeiro, voltei para Porto Alegre, por aí vai, sempre em busca da minha realização.
Me entrego ao máximo. Busco o melhor. Mas também exijo ser bem tratado. Exijo dignidade. A TV Record RS não foi digna comigo.
É um lugar, sim, onde recebemos oportunidade de trabalhar, ganhar nosso sustento e tentar sobreviver nessa selva jornalística. Mas é uma selva cruel.
Até agora eu vinha tratando dentro do possível essa emissora com o respeito que achava que cabia. Obviamente por ser a empresa que sou contratado, mas principalmente pelas várias pessoas que admiro, sou amigo e tenho um carinho enorme que estão lá.
Só que o meu limite de zelo acaba quando a mentira só cresce. A TV RECORD RS MENTE. Mente feio. Mente ardilosamente. Eu não posso mais ficar agindo com tranquilidade quando além da falta de verdade, há falha jurídica, há maldade.
Não posso mais ser complacente com uma empresa com gestor que comete crime. Não posso aceitar que um diretor de uma empresa me receba com segurança para me expulsar de um lugar que me dediquei tanto e jogue no chão um documento que levei.
Covardes.
Eu não posso mais ficar calado e respeitoso diante dessa gente que eu arrisquei a vida e virou as costas pra mim.
E essa gente, meus caros, como vocês sabem pertence á uma Igreja. Igreja Universal, essa mesmo. Que prega misericórdia, faz milagres…
Hoje, eu também me sinto completamente envergonhado por ter feito parte disso tudo. De certa forma fui cúmplice da barbaridade do dízimo das pessoas doentes e pobres, do preconceito de escolhas pessoais, da censura, da intolerância religiosa.
Que vergonha.
Tenho vergonha de uma empresa que desrespeita a justiça. Sim, a minha “demissão por justa causa” é completamente injurídica. NÃO TEM VALIDADE LEGAL.
Ou vocês já viram alguém com atestado médico e com perícia marcada ser demitido? NÃO EXISTE.
Só para os criminosos da Record.
Mas tu é louco de escrever isso? De comprar essa briga? Não. Talvez seja a atitude em mais sã consciência que já fiz. Estou sendo verdadeiro comigo.
Não é só uma questão de coragem. É de honestidade. De vergonha cara.
É porque quero honrar todo amor e incentivo que a minha família me deu e me dá. É porque quero que os meus amigos saibam que não me corrompo pra nada, nem pra “água sagrada”.
Tá doendo. Dói muito. Arranjo na escrita um jeito de diminuir isso. Meu antídoto pra sofrimento sempre vai ser me expressando. Achem certo ou não. Aprendi com isso tudo que nessas horas a gente não precisa de gente pra julgar, e sim pra apoiar.
Porque não há nada de criminoso um funcionário querer melhores condições de trabalho. Lutar pelo o que é de direito.
E vou continuar lutando. Muito. Na justiça. Na minha forma de se expressar.Vou lutar.
Se nenhuma palavra minha servir, se a justiça não for cumprida, vou acreditar no tempo.
Talvez Dom Quixote tenha me inspirado um pouco hoje, depois que a minha amiga Lúcia mandou essa passagem da obra de Cervantes: “Só é humilhado, quem se sente humilhado”.
Não vou me humilhar. Vou falar o que sinto.
Dom Quixote em um momento da vida se deu conta que não era um herói. Viu que não há heróis.
Há homens de carne, osso, sangue. Homens que choram e sofrem em busca do bem.
Que desabafam”.



Fonte: Diário de Pernambuco

AÇÃO

Detentos aproveitam ausência interna de segurança e cavam túnel em Alcaçuz
Ação dos bandidos foi percebida depois que o policiamento deixou as dependências internas de Alcaçuz na noite desta segunda-feira (16)

Detentos da Penitenciária Estadual de Alcaçuz foram flagrados por agentes penitenciários cavando um túnel que muito provavelmente servirá como rota de fuga para diversos presidiários presentes na maior cadeia do Rio Grande do Norte, segundo o Portal G1-RN.
A escavação foi filmada em vídeo (veja AQUI) por agentes penitenciários, que monitoraram a ação com certa distância. Na gravação, é possível ver os presos passando baldes de areia para comparsas, que descarregavam o recipiente e retornava ao escavador.
A ação dos bandidos foi percebida depois que o policiamento deixou as dependências internas de Alcaçuz na noite desta segunda-feira (16). Vale lembrar, no entanto, que há agentes de segurança presentes em toda a redondeza da Penitenciária, monitorando a ação dos presos e prontos para evitar qualquer tentativa de fuga.
intert
O clima começou a ficar tenso na Penitenciária Estadual de Alcaçuz no final da tarde do sábado (14). Os detentos iniciaram uma rebelião e mataram 26 pessoas, segundo informações repassadas pelo Governo do Estado à imprensa no final da noite do domingo (15).
A rebelião foi confirmada pela Secretaria de Justiça e Cidadania do Estado (Sejuc) tão logo iniciou. O coordenador de administração penitenciária da Secretaria, Zemilton Silva, informou à imprensa, naquele momento, que o tumulto era de “grandes proporções” na unidade prisional da grande Natal.
A assessoria da Polícia Militar disse que o motim começou por volta das 16h30, quando presos do pavilhão 1 invadiram o pavilhão 5 da penitenciária. As alas são controladas por facções criminosas rivais, denominadas de PCC e Sindicato do Crime.
Somente por volta das 6h30 da manhã de domingo (15), o Grupo de Operações Especiais (GOE) da Secretaria Estadual de Justiça e Cidadania (Sejuc) e a Polícia Militar, com equipes do BOPE e CHOQUE, deram início à ocupação da Penitenciária.
De acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública e Defesa Social (Sesed), a operação foi considerada um sucesso e o presídio estava dominado pela equipe de segurança do Governo do RN.
Após a saída dos agentes de dentro do presídio, os presos voltaram a fazer motins, mas até o momento não houveram novos confrontos. Ao todo, a rebelião sanguinária durou 14 horas.

AGORA RN

FORTALECIDO

Alvo do PCC, Sindicato do Crime do RN domina 28 das 32 cadeias do Estado
Massacre de Alcaçuz pode levar facção, aliada do Comando Vermelho, a desencadear um revide nas prisões com maioria de afiliados


Autoridades de segurança do Rio Grande do Norte estimam que 28 das 32 unidades prisionais do Estado sejam dominadas pelo Sindicato do Crime (SDC), facção aliada ao Comando Vermelho e alvo de um ataque no sábado passado que deixou 26 mortos na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, na Grande Natal. Os assassinatos, então, poderiam desencadear uma reação nas outras cadeias onde a minoria é de integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) ou de detentos considerados neutros.
Ser minoria não impediu que membros do PCC articulassem o ataque do sábado passado e voltassem a participar de motins nesta segunda-feira, 16, em Alcaçuz. Presos ligados ao Sindicato do Crime também subiram no teto dos pavilhões com bandeiras onde se lia “Queremos paz, mas não iremos fugir da guerra”. Na estrutura, picharam nomes de aliados como a Okaida, na Paraíba, o Primeiro Grupo Catarinense e o Comando Vermelho, no Rio.
Agentes penitenciários ouvidos pelo Estado disseram que a situação na unidade continua tensa com a possibilidade de reação do Sindicato e a resistência de integrantes do PCC em serem transferidos. Cinco homens apontados como líderes do ataque foram retirados do local nesta segunda e deveriam ser levados a uma unidade estadual que não foi informada.
Segundo a presidência do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Estado, somente o presídio Rogério Coutinho Madruga – no mesmo terreno de Alcaçuz e de onde partiram os detentos envolvidos com as mortes -, a cadeia de Paus dos Ferros, a de Caraúbas e um pavilhão na unidade Mário Negócio, em Mossoró – esses três no interior -, têm maioria do PCC.
“Não imaginávamos que eles teriam a ousadia de atacar no presídio em que não têm maioria. Agora, o risco fica ainda mais intenso”, disse Vilma Batista, presidente do sindicato dos agentes.
O cenário de descontrole é ratificado pelo juiz de Execuções Penais de Natal, Henrique Baltazar Vilar dos Santos. “O Estado até então só tinha controle dos muros de Alcaçuz. Dentro, quem mandava mesmo já era os presos. Agora a situação piorou e se repete nas demais unidades.”
Para o procurador-geral de Justiça do Rio Grande do Norte, Rinaldo Reis, a possibilidade é grande de novos confrontos. “Não tenho nenhuma dúvida de que essa guerra não acaba aqui. Não estou profetizando, mas apenas observando que todos os ingredientes estão postos para isso”, disse.
Separação. A divisão de facções por presídios diferentes começou no Estado em 2015 depois de uma série de rebeliões. No mês de junho daquele ano, a já frágil relação entre SDC e PCC foi rompida com a morte do detento Alexandre Teodósio, o Pelelê, membro da facção de origem paulista, que, segundo o Ministério Público Estadual, desencadeou uma sequência de atos de violência, com assassinatos de lado a lado, dentro e fora das cadeias.
Segundo promotores que investigaram as organizações, o SDC foi fundada em 27 de março de 2013 por uma dissidência do PCC. A compreensão do grupo era de que o estatuto vigente até então era aplicado com excessivo rigor – como o tratamento com inadimplentes com a contribuição mensal -, além da insatisfação com a obrigação de prestar contas a detentos de outros Estados.
A organização paulista, de acordo com o MP, acabou compartilhando a expertise de métodos de atuação criminosa, “capacitando os presos potiguares quanto ao funcionamento desse tipo de organização, para assim atuarem de forma mais eficiente, os quais ganharam autonomia e buscaram formar uma organização autônoma, inicialmente rudimentar”, de acordo com o que foi escrito em uma das denúncias oferecidas contra membros do grupo.
“Mas que, subestimada pelo Estado, foi progressivamente se aperfeiçoando, tendo como metas o controle do interior dos presídios e de territórios fora deles para o tráfico”, acrescentou.
A atuação do PCC e do SDC foi alvo de investigações da Polícia Civil local e do MP, que deflagraram três operações em pouco mais de dois anos. O governo do Estado não comentou.

AGORA RN

TENSÃO

‘Sociedade tem de entender que vai haver confronto’, diz Virgolino sobre crise carcerária
Secretário de Justiça e Cidadania comparou, em coletiva, terror imposto pelo chefão do tráfico colombiano Pablo Escobar à atuação de facções criminosas no país

A guerra entre facções criminosas deixou 26 mortos na maior chacina da história do sistema prisional do Rio Grande do Norte. Em entrevista à Rádio Estadão, nesta segunda-feira, 16, o secretário estadual de Justiça e Cidadania, Wallber Virgolino, distribuiu críticas e culpou a situação dos presídios e da Segurança Pública pelo massacre.  “Nós estamos chegando ao que a Colômbia foi nos anos 1990, com uma diferença grave: lá na Colômbia havia o (narcotraficante) Pablo Escobar, aqui no Brasil nós temos mais de 50”, disse.
Responsável por administrar o sistema penitenciário potiguar, o secretário também pediu apoio para possíveis ações repressivas das forças policiais. “A polícia, hoje, tem receio de entrar durante a noite (no presídio), tem receio de dar um tiro num preso desse e depois ser culpada”, afirmou Virgolino. “Existem dois lados nessa guerra: o bem e o mal. Ou você fica do lado Estado ou você fica do lado do bandido.”
A guerra entre facções motivou a rebelião na Penitenciária de Alcaçuz?
Existe uma facção em nível nacional que quer dominar o Brasil, mas o Estado desconsidera sua existência. Não é o Estado do Rio Grande do Norte, é o Estado brasileiro. Não combate como tem de ser combatido. Ele (o PCC) vem crescendo e as facções locais tentam impedir, até por questão de sobrevivência física e financeira. Esses confrontos estão acontecendo. No Rio Grande do Norte, são 32 penitenciárias, apenas ela se rebelou. Estamos voltando os esforços para essa unidade, para voltar a paz e estabelecer a ordem. Demonstrar aos apenados que, aqui, não iremos admitir esse tipo de insurgência, de intimidação. O Estado é quem tem de olhar o bandido de cima para baixo.
O RN está preparado para lidar com a crise de segurança, caso extrapole os muros dos presídios?
O Estado tem de estar preparado. Esse confronto é inevitável em qualquer lugar do Brasil. O crime organizado vem se estruturando e o Estado não vem se organizando para frear. Existem vários entraves que seguram a ação da polícia. Hoje, a polícia é amordaçada e o criminoso tem mais direito do que obrigação. O criminoso no Brasil tem de começar a ser tratado como criminoso. Temos de agir de forma rápida. Nós estamos chegando ao que a Colômbia foi nos anos 1990, com uma diferença grave: lá na Colômbia havia o (narcotraficante) Pablo Escobar, aqui no Brasil nós temos mais de 50. A sociedade tem de entender que vai haver confronto. E o Estado tem de sair vitorioso.
O que provocou o motim no Presídio Professor Raimundo Nonato Fernandes?
Aquele cenário que ocorreu no Norte (massacres no Amazonas e Roraima) não tem ligação direta com o que aconteceu no Rio Grande do Norte, mas estimulou. Quando acontece isso, a tendência é os presos ficarem mais “folgados”. Com “folgados”, quero dizer “mais donos da razão”. Fizemos uma operação, hoje (segunda), às 5 horas, na Cadeia Pública de Natal. Os presos não quiseram ir a para quadra, como exige o procedimento, e tentaram atirar pedras no Grupo de Operações Especiais. O grupo revidou, controlou e moralizou. Corre o risco dos demais presos de outras unidades acharem que podem tudo e querer confrontar o Estado. Por isso, o Estado tem de agir de forma enérgica, mas, quando se age de forma enérgica, sempre aparece alguém para dizer que errou, que cometeu excesso, que (a ação) foi desastrosa. Não se trabalha assim.
O Estado vai pedir mais reforço da Força Nacional?
Eu estou extremamente feliz com a atuação do ministro Alexandre de Moraes (da Justiça e Cidadania). Eu o conheci pessoalmente em São Paulo, mas já o conhecia nas cátedras porque sempre estudei pelos livros dele. Ele demonstra que tem total conhecimento do assunto e que tem humildade para escutar os secretários. Nunca existiu isso. A Força Nacional foi feita para controlar as ruas. PM ou policial civil não vai ajudar muito dentro do sistema prisional, porque eles não são preparados para isso. Deveria se criar uma Força Integrada Penitenciária, patrocinada pelo governo federal, com agentes penitenciários, que são quem entende do sistema. Aí, resolveria o problema, porque atacaríamos com conhecimento de causa.
O senhor declarou que a operação em Alcaçuz foi um sucesso. Por quê?
Quinhentos presos invadiram um pavilhão com 200, e morreram 25 pessoas. Não morreu mais em decorrência da ação do Estado, então eu acho que agiu bem. O sistema penitenciário é sinônimo de tensão, é uma guerra que se decide por detalhe. O Estado vem ganhando, mas uma hora o presidiário vai conseguir burlar a fiscalização e fazer o que fizeram. É inevitável. Isso não é culpa do secretário ou do agente penitenciário. É culpa da superlotação e da falta de estrutura dos presídios. E não é de agora. Há 20 anos, o sistema penitenciário vem se esculhambando, se acabando, e ninguém faz nada. O Judiciário tem culpa nisso. O Ministério Público, o Legislativo, o Executivo tem culpa nisso. Há uma cadeia de incompetência que, se houver responsabilidade, todos têm de ser responsabilizados. Não é apenas jogar nas costas do Executivo. Vão perguntar: por que não investiu nisso ou naquilo? Ora, e por que não fiscalizaram? Por que não acabaram com a superlotação julgando os processos? Por que não fizeram leis mais duras? A gente tem de acordar e unir esforços. Apoiar a polícia, o sistema penitenciário e o Estado. Existem dois lados nessa guerra: o bem e o mal. Ou você fica do lado Estado ou do lado do bandido.
Por que a tropa de choque esperou para entrar em Alcaçuz?
A famigerada ação do Carandiru (massacre em São Paulo que terminou com 111 mortos, em 1992), que todo mundo conheceu, rechaçou o trabalho da polícia em todo o Estado. Hoje, a polícia tem receio de entrar à noite (no presídio), tem receio de dar um tiro em um preso desse e depois ser culpada. O preso atira na polícia de (calibre) 12, de pistola, de revólver dentro do presídio. E o policial não pode sequer dar um tiro no preso. Não pode nem salvar a vida, tem de atirar de bala de borracha. E ainda tem gente que rechaça, que tenta imputar alguma culpa, algum dolo em relação a um agente que atira com bala de borracha em um preso. É sempre culpa da polícia. A gente tem de rever esses conceitos. Se não apoiar o Estado, o crime organizado vai vencer.
Após as rebeliões na região Norte, quais medidas foram adotadas para evitar conflitos semelhantes no RN?
Separamos os presos por facção, inicialmente. Todos os dias, fazemos operação de segurança para retirar material ilícito que, por ventura, tenha entrado. Também temos mapeado os líderes de facção e os transferido para presídio federal. Mas tem de considerar que não é fácil transferir. Recebo preso que comete crime federal, deveria ir para presídio federal, mas não vai. Isso abarrota mais as cadeias. Para mandar, é a maior burocracia do mundo.


AGORA RN

SEJA UM DOADOR




ALERTA URGENTE MIPIBU

Homem agindo de má anda em São José de Mipibu pedindo ajuda INDEVIDAMENTE em nome da pequena Laura, veste calça azul social e camisa branca, moreno alto e dizendo que a criança é filha dele e tem AIDS que mora em Santo Antonio/RN. A roupa é muito folgada.

Após consultar as informações do Facebook e do Instagram, constatei que o mesmo não o pai da criança e que usa indevidamente as informações da Laura para adquirir recursos.

Todo cuidado é pouco! 

ATENÇÃO SE O ENCONTRAR LIGUE PARA A POLÍCIA!

Texto: Fran Moura

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

QUEBRADO?

Apresentador da Globo, Galvão Bueno, tem dívida milionária, diz jornal
De acordo com informações da coluna Radar On-Line, do site da revista Veja, ele deve R$ 30 milhões a um banco

O apresentador Galvão Bueno vem passando por dificuldades financeiras e tem, atualmente, uma dívida milionária.
De acordo com informações da coluna Radar On-Line, do site da revista Veja, ele deve R$ 30 milhões a um banco.
Não se sabe exatamente qual é o salário do comentarista, mas estima-se que seja um dos maiores do elenco da Rede Globo. Em entrevista à mesma revista, o jornalista afirmou que pretende continuar trabalhando na emissora.
“Tenho contrato até depois da Copa de 2018. Não tenho motivos para parar agora”, afirmou.

AGORA RN

INVESTIGAÇÃO

Em busca de novos corpos, Caern é acionada e vai esgotar fossas de Alcaçuz
Equipes da Companhia de Águas e Esgotos do RN já chegaram no presídio e deverão fazer o esgotamento ainda nesta segunda-feira (16)


Após a denúncia de presos de que ainda haveriam corpos sem vida em fossas e valas na Penitenciária Estadual de Alcaçuz, palco de rebelião que deixou 26 mortos neste fim de semana, a Companhia de Água e Esgotos do Rio Grande do Norte (CAERN) foi acionada pelo Governo do Estado para realizar o esgotamento das fossas do presídio.
Equipes da Caern já estão na penitenciária e vão realizar o esgotamento ainda nesta segunda-feira (16). No início da noite deste domingo (15), o Governo anunciou, em entrevista coletiva, que haviam sido computados 26 corpos sem vida na primeira revista das equipes de segurança. A maioria deles foram decapitados.
Todos estes corpos estão sendo armazenados em um caminhão frigorífico que está parado em um quartel da Polícia Militar por medidas de segurança. Eles serão deslocados em remessas de quatro para a sede do Instituto Técnico-Científico de Perícia, com a primeira viagem agendada para o início desta tarde, segundo o próprio órgão.

AGORA RN


11º HOMICÍDIO EM MOSSORÓ 2017

Jovem é raptado de dentro de casa durante a madrugada e executado a tiros na estrada do Melão


Um jovem identificado como Antônio Itamici Fernandes de Freitas de 20 anos de idade, raptado na madrugada desta segunda feira 16 de janeiro de 2017,foi encontrado morto, nesta manhã com o corpo crivado de balas as margens da RN que liga a Maisa a cidade de Tibau, conhecida como Estrada do Cajueiro.

A família informou à Polícia, que o jovem estava dormindo em casa com a esposa e seus pais na Comunidade de Pau Branco, na zona rural de Mossoró, quando cerca de quatro homens encapuzados e armados de escopeta 12, chegaram em veículo escuro invadiram a residência e raptaram Antônio Itamici.

De acordo com os familiares, os homens queriam que o jovem dissesse onde estaria uma pessoa conhecida como "Foquito", mas o mesmo disse que não sabia onde ele estava.

O jovem foi levado de casa a força e executado com vários tiros de pistola e escopeta calibre 12 e teve o corpo abandonado as margens da rodovia, proximo a empresa Agrícola Formosa, zonz rural de Mossoró.

A Familia não sabe a que atribuir o crime, pois segundo a esposa de Antônio Itamici, seu marido não tinha envolvimento com ações criminosas e também não tinha inimigos.

O corpo, depois de isolado pela Polícia Militar, foi removido para a sede do ITEP onde será necropsiado e depois liberado para sepultamento.

Este foi o Décimo Primeiro (11º) homicídio registrado no ano e o segundo desta segunda feira (16) registros em Mossoró. O caso será investigado pela Divisão de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP)


FIM DA LINHA

ACIDENTE

Choque entre moto e caminhão baú deixa duas pessoas mortas na RN 117 entre Mossoró e Governador Dix Sept


Nivaldo e Romualdo morreram no local do acidente

Dois homens morreram em acidente de trânsito no início da manhã desta segunda feira 16 de janeiro, na RN 117 próximo a Britagel entre MOssoró e Governador Dix Sept Rosado.

Segundo a Polícia Rodoviária Estadual,as duas vítimas fatais,identificadas apenas como, Nivaldo de seu Deda e Romualdo, conhecido como Foguinho, ambos residentes em Olho D'água do Borges, ocupavam uma moto Honda de placa NOH 0372 com registro para Olho D'agua do Borges,e viajam sentido Mossoró,quando bateram na lateral de um Caminhão Baú.

Os dois morreram na hora e um deles teve a perna decepada. O caminhão baú foi apreendido pela PRE que realizou os trabalhos de isolamento dos corpos e controle do fluxo de veículos na via.

Os corpos foram removidos para a sede do ITEP para fins de necropsias. A causa do acidente ainda não foi divulgada.


FIM DA LINHA

ADEUS FOLGA...

Agentes de folga são convocados para tentar contar rebelião em Alcaçuz


A Secretaria de Justiça e Cidadania está convocando os agentes que estavam de férias para auxiliar na contenção de Alcaçuz, em Nísia Floresta. No local, policiais do Choque e Bope, além da Força Nacional e Grupo de Escolta Armada (GEP) fazem o patrulhamento e farão uma revista na unidade durante a tarde de hoje.
Os detentos permanecem no teto da penitenciária e pedem a transferência dos apenados da facção do PCC.

190 RN

INVESTIGAÇÃO

Polícia Civil cria comissão de delegados para investigar as  mortes ocorridas em Alcaçuz


A Polícia Civil do Rio Grande do Norte criou uma comissão, formada por quatro delegados, para investigar os assassinatos de detentos que foram executados dentro daPenitenciária de Alcaçuz, no último sábado (14). A comissão é formada por três delegados da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e pelo titular da Delegacia de Polícia Civil de Nísia Floresta, cidade onde está situada a Penitenciária.
A comissão será presidida pelo delegado Marcus Vinícius
(DHPP) e contará com o trabalho dos delegado
Reginaldo Soares
(DHPP), Jamile
Alvarenga(DHPP) e pelo delegado Elói Carvalho (DP de Nísia Floresta). “A Polícia Civil está empenhada para identificar quais são os autores das mortes ocorridas dentro da Penitenciária. Será um trabalho intenso e para tanto criamos esta Comissão. A Polícia Civil ouvirá os criminosos que ordenaram e que participaram dos ataques e também apurará informações de sobreviventes. Três fugitivos já foram recapturados e vamos ouvi-los o mais rápido possível”,falou o delegado geral adjunto da Polícia Civil, Correia Júnior.


190 RN

ATENTADO

Bandidos atiram em base da PM em Mãe Luiza

Atentado aconteceu neste domingo.


Criminosos atiraram contra o posto da Polícia Militar no bairro de Mãe Luiza, zona Leste de Natal. De acordo com informações repassadas ao Portal BO, o atentado aconteceu neste domingo (15), mas ninguém ficou ferido.
Os bandidos teriam se aproximado em um carro e atirado várias vezes. Os tiros atingiram paredes e porta da base da PM, tanto na frente quanto na lateral do prédio.
No entanto, a unidade estava fechada no momento do ataque e não havia nenhum policial no local. 


PORTAL BO

MAIS DE 100 MORTOS?

Vídeo: Foragidos de Alcaçuz capturados na PB relatam que número de mortos passa de 100

Dois homens que se dizem do PCC foram presos após fuga no fim de semana.


Dois foragidos da Penitenciária de Alcaçuz foram capturados na cidade de São Bento, na Paraíba, e relataram que o número de mortes durante a rebelião no fim de semana passa de 100. Os presos se dizem membros da facção Primeiro Comando da Capital (PCC).
Eles contam que escaparam de Alcaçuz durante a rebelião deste final de semana. Em conversa com os policiais na delegacia na Paraíba, Andrey da Silva Leão e João Bosco Martins Tomaz afirmaram que o número de mortes dentro do presídio deve ser maior que 100.
De acordo com eles, “foram muitas mortes”. Os presos dizem que integrantes do PCC teriam matado os rivais da facção Sindicato do RN.

VEJA VÍDEO:

  

Oficialmente, o Governo do RN informou que foram encontrados 26 corpos após a rebelião ser controlada. No fim da manhã desta segunda-feira, no entanto, a Caern foi acionada para esvaziar uma fossa onde possivelmente corpos teriam sido jogados.

ALCAÇUZ

Presos montam barreira para tentar impedir avanço de PMs em Alcaçuz

Detentos voltaram a realizar um motim, na manhã desta segunda-feira.


Detentos de Alcaçuz, que voltaram a realizar um motim na manhã desta, montaram barreiras com pedaços de madeira, ferro e telhas para tentar impedir o avanço da Polícia Militar dentro do presídio. Além disso, os presos estão armados com pedras, pau e facas artesanais feitas com ferro.
Desde o final da manhã, o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) foi deslocado para Alcaçuz para retomar o controle da unidade, haja vista que os presos estão todos soltos nos pavilhões e acabaram subindo para os telhados de alguns desses pavilhões.
A Polícia Militar e os agentes penitenciários esperam controlar a situação para então fazer uma contagem completa dos presos e estabelecer se houve fugas ou se há mais mortos em outras áreas ainda não localizadas.
Inclusive, um carro da Caern foi deslocado para Alcaçuz para esvaziar uma fossa, onde possivelmente foram jogados corpos, de acordo com informações dos próprios detentos.



PORTAL BO

sábado, 14 de janeiro de 2017

TRISTEZA

Pais morrem em acidente e filha de 5 anos busca ajuda em estrada de MS
Criança andou 1 km sozinha até encontrar funcionário de fazenda vizinha.

Acidente foi em estrada vicinal na noite de sexta (13) em Porto Murtinho.

Gabriela Pavão e Gustavo ArakakiDo G1 MS e da TV Morena



Carro da família saiu da pista, capotou e bateu em árvore (Foto: Corpo de Bombeiros/ Divulgação)

Depois da morte dos pais em um acidente de trânsito na noite de sexta-feira (13), uma criança de 5 anos caminhou cerca de um quilômetro sozinha em busca de ajuda até encontrar o funcionário de uma fazenda. A família viajava em um carro que capotou e bateu em uma árvore. O acidente foi em uma estrada vicinal de Porto Murtinho, a 443 km de Campo Grande, segundo informações da Polícia Civil ao G1.

A menina saiu ilesa da colisão e voltou na estrada até encontrar o funcionário de uma fazenda. Segundo o boletim de ocorrência, o funcionário roçava grama quando viu o carro da família passar. Ele disse que se lembra da criança olhando para ele e que, minutos depois, a menina voltou a pé, sozinha e informou sobre o acidente.

O funcionário avisou o dono da fazenda que chamou o Corpo de Bombeiros e a Polícia Civil. Segundo testemunhas, o casal estava deslocando da fazenda São Lucas em direção à fazenda onde trabalha o filho do motorista.

O acidente aconteceu por volta das 18h30 (de MS), no km 67 da estrada vicinal MS-458, que não é asfaltada. A suspeita é que o condutor do veículo tenha perdido controle da direção. Em seguida, o carro saiu da pista, capotou e bateu de lado em uma árvore.

Os pais morreram na hora, ainda dentro do carro. A perícia da Polícia Civil esteve no local e constatou que a parte da frente do capô do carro foi afundada na colisão enquanto que a parte de trás, onde estava a criança, ficou mais preservada.

A criança não teve ferimentos, mas mesmo assim foi socorrida até o hospital municipal, onde ficou em observação e teve alta neste sábado (14), acompanhada por uma tia, segundo o hospital. Os corpos dos pais foram encaminhados para o necrotério. O caso foi registrado como morte a esclarecer na Delegacia de Polícia Civil de Porto Murtinho.

É DE ARRANCAR OS CABELOS

CABELEIREIRA E CLIENTE VÃO À DELEGACIA DE MIPIBU, DEPOIS QUE MECHAS DE CABELO DESAPARECE DE SALÃO

Parte dos cabelos da confusão. Foto: Cláudio Dantas.

A confusão foi parar na delegacia, depois de uma cliente acusar a proprietária de um salão de beleza, de ter "roubado" umas mechas de cabelos em um salão no centro de São José de Mipibu.

A cabeleireira nega que tenha pego as mechas de cabelo, e disse para polícia, que está sendo acusada injustamente. A Polícia Civil de Mipibu, ouviu as partes, para tentar resolver a situação, o que vai dá um rebuliço danado para que a justiça chegue à conclusão de quem é VÍTIMA e quem é ACUSADA.

Matéria editada para alteração.

FONTE: http://www.digitalmipibu.com.br/2017/01/cabeleireira-e-cliente-vao-delegacia-de.html

AGRESSÃO

EX-MISS PODE FICAR CEGA POR SER ATACADA COM ÁCIDO POR EX.

Gessica Notaro foi hospitalizada e sofreu queimaduras no rosto e olho.
Gessica Norato corre o risco de ficar e perder a visão, após ataque com ácido (Foto: Reprodução/Facebook)
A ex-concorrente do Miss Itália, Gessica Notaro, 28 anos, pode perder a visão e terá que passar por cirurgias plásticas após ter sido atacada com ácido por um ex-namorado. A informação é do 'Extra'. Gessica tinha sido coroada Miss Romagna e foi finalista em 2007 do Miss Itália. Ela também já trabalhou como apresentadora de TV e era treinadora de golfinhos.  
De acordo com o portal, o ex-namorado, Jorge Edson Tavares, 29 anos, a perseguia após o término do relacionamento em agosto do ano passado. Ele foi acusado de atacar a ex-miss com ácido. O homem foi preso e nega que tenha atingido Gessica.
Gessica e o ex-namorado Jorge Edson Tavares (Foto: Reprodução/Facebook)
O homem tinha uma ordem judicial para não se aproximar de Gessica, os dois trabalhavam juntos em um aquário em Rimmi, na Itália. A ex-miss foi hospitalizada e sofreu queimaduras no rosto e olho. Os médicos temam que ela pode perder a visão. A jovem também teve lesões no quadril e perna. 


CHEGANDO NA HORA

PESCADO

Com cheia do Rio Juruá, pescadores capturam peixes de até 80 quilos

Pescado pode ser comprado no Mercado do Peixe a R$ 14 o quilo.
Rio Juruá marcou 12,58 metros na manhã desta sexta-feira (13).


Quem está costumado a comprar pescado no Mercado do Peixe em Cruzeiro do Sul tem ficado surpreso com o tamanho dos peixes que têm sido vendidos no local. O aparecimento de peixes com até 80 quilos tem possibilitado um faturamento extra a alguns pescadores do município. Em média, o quilo do peixe está saindo no valor de R$ 14.
Os pescadores acreditam que os grandes peixes têm aparecido devido à cheia do Rio Juruá, que chegou a 12, 28 metros na manhã desta sexta-feira (13), 48 centímetros acima da cota de alerta, que é de 11,80 metros.
Eles se dizem surpreendidos também pela grande quantidade de peixes das espécies jaú e jundiá açú, filhote, dourado e pirarara que estão sendo pescados no Rio Juruá, em frente ao Porto da cidade. Estas espécies são encontradas nos rios da região nas piracemas de peixes de couro.
E não é história de pescador. Francisco Ailton Mendonça da Silva, de 36 anos, diz que já pescou 24 grandes peixes nos últimos dias.
“Pesco desde criança. Por essa época do ano nunca tinha visto peixes grandes como os que estão aparecendo. A gente só pega algum peixe desses na piracema. Esta é a primeira vez que nessa época do rio cheio pesco grandes peixes. O maior que peguei foi um jaú de 79 kg. Já faturei mais de R$ 2 mil com esses peixes”, afirma Ailton.
Os peixes estão sendo vendidos no Mercado do Peixe e têm chamado atenção até de quem costuma ir ao local, como é o caso do idoso Aluízio Pereira Santiago, de 78 anos. “Esta é a primeira vez que vejo esses peixões aqui. Isso é uma novidade, antes nunca tinha visto peixes desse tamanho aqui. Nunca comi, mas quem come diz que é gostoso”, diz.  
Outro que se impressionou foi o aposentado Eliziário Freires de Oliveira, de 73 anos, que ficou animado com a variedade de espécies nos mercados. “Já comi muito desse tipo de peixe. É um peixe que a gente não vê muito nessa região. É muito gostoso e, graças a Deus, este ano está aparecendo muito. Vou aproveitar e comprar um pedaço para matar a saudade. Faz muito tempo que não têm peixes grandes assim aqui no mercado”, conta. 
O peixeiro Sebastião Lucas de Oliveira, de 53 anos, conta que somente ele já vendeu mais de 15 espécies de jundiá açú e jaú esta semana. “Esta semana apareceu muitos peixes grandes. O maior que vendi pesou 62 kg. Nunca tinha vendido peixe grande assim. Agora com a cheia começaram a parecer muitos. Estou vendendo a R$ 14 o quilo e vendo entre 150 e 200 quilos por dia", finaliza.
G1


.

....